EMERGÊNCIA, CRESCIMENTO INICIAL E QUALIDADE DE MUDAS DE Eremanthus incanus: SUBSÍDIOS PARA MELHORAMENTO E CONSERVAÇÃO GENÉTICA

Conteúdo do artigo principal

Luiz Filipe Maravilha
Miranda Titon
Danielle Piuzana Mucida
Natane Amaral Miranda
José Sebastião Cunha Fernandes
Janaína Fernandes Gonçalves
Vitória de Souza Canguçu

Resumo

A produção comercial de mudas de Eremanthus incanus tem sido realizada, até o momento, com sementes sem nenhum controle genético. Assim, propomos dois experimentos para avaliar o efeito de árvores matrizes sobre suas descendentes por via seminal em fase de viveiro e verificar a correlação entre as variáveis. Instalamos o primeiro experimento em casa de vegetação e avaliamos a emergência das plântulas semanalmente durante 42 dias. Na saída da casa de vegetação, aos 60 dias, avaliamos a sobrevivência. Conduzimos o segundo experimento em casa de sombra e, posteriormente, em pleno sol. Avaliamos a altura, o diâmetro e a sobrevivência das mudas aos 90, 120, 150 e 180 dias após a semeadura. Aos 180 dias, quantificamos o peso de matéria seca da parte aérea, da raiz e total e calculamos o Índice de Qualidade de Dickson (IQD). Os efeitos de matrizes de E. incanus sobre suas descendentes por via seminal foram significativos para emergência e para os caracteres de crescimento e qualidade de mudas. A taxa de sobrevivência das plântulas na saída da casa de vegetação foi alta para todas as matrizes, variando de 72,2% a 97,2%. Todas as matrizes apresentaram maior alocação de biomassa na parte aérea das mudas, sendo essa proporção mais acentuada em algumas delas. As estimativas de correlação entre a taxa de emergência e as demais características, embora não significativas, foram todas positivas. As correlações entre altura, diâmetro, massa seca e IQD foram significativas e positivas, de moderada a alta magnitude. Devido à natureza não destrutiva, o diâmetro pode ser considerado o indicador prático mais adequado para avaliar a qualidade de mudas de E. incanus. Nossos resultados contribuem substancialmente para a implementação de estratégias mais eficazes de conservação e melhoramento, auxiliando na compreensão do comportamento de E. incanus em ambientes de Campos Rupestres quanto à produção de mudas e recuperação de serviços ecossistêmicos.


Palavras-Chave: Candeia; Árvores matrizes; Campo Rupestre

Detalhes do artigo

Como Citar
Maravilha, L. F., Titon, M., Mucida, D. P., Miranda, N. A., Fernandes, J. S. C., Gonçalves, J. F., & Canguçu, V. de S. (2023). EMERGÊNCIA, CRESCIMENTO INICIAL E QUALIDADE DE MUDAS DE Eremanthus incanus: SUBSÍDIOS PARA MELHORAMENTO E CONSERVAÇÃO GENÉTICA. Revista Árvore, 47, https://doi.org/10.1590/1806–908820230000013. Recuperado de https://revistaarvore.ufv.br/rarv/article/view/263531
Seção
Artigos Científicos - Silvicultura